TRF-4 mantém condenação do ex-deputado André Vargas na Operação Lava Jato
Rio Grande do Sul

TRF-4 mantém condenação do ex-deputado André Vargas na Operação Lava Jato

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) manteve por unanimidade a condenação do ex-deputado André Vargas, preso na Operação Lava Jato por lavagem de dinheiro. A defesa ainda pode recorrer.

O G1 entrou em contato com a advogada de Vargas, mas ela não retornou as ligações até a publicação desta matéria.

Os desembargadores consideraram que Vargas, o irmão dele, León Vargas, o empresário Marcelo Simões e a contadora Meire Pozza ocultaram cerca de R$ 2,399 milhões provenientes do contrato de R$ 71,3 milhões firmado entre a Caixa Econômica Federal (CEF) e a IT7 Sistemas Ltda.

"Não resta dúvida da influência de André sobre o banco estatal. André intercedeu junto a servidores da Caixa pela contratação da empresa IT7", afirmou o desembargador federal João Pedro Gebran Neto, relator dos processos da Lava Jato. "Nenhuma empresa faria o pagamento de R$ 2 milhões sem nada em troca."

Confira abaixo como ficaram as penas:

  • André Vargas: Seis anos de reclusão
  • León Vargas: Quatro anos, nove meses e 18 dias
  • Marcelo Simões: Quatro anos, nove meses e 18 dias
  • Meire Poza: Dois anos de reclusão

Vargas, no entanto, foi solto há quase um ano após decisão da 2ª Vara de Execuções Penais de Curitiba. Ele foi colocado em liberdade após cumprir 37% da pena imposta na primeira condenação, apresentar comportamento satisfatório na prisão e comprovar o início do pagamento parcelado da reparação de danos.

Já seu irmão, Léon, e o empresário Marcelo Simões tiveram redução da pena em função da diminuição do agravante da culpabilidade e devem cumprir em regime semiaberto. A contadora teve a pena reduzida pela metade por ter colaborado com a investigação. Ela, entretanto, deve reparar o valor desviado, pois, segundo Gebran, participou dos atos e tem envolvimento no prejuízo.

Ainda resta a possibilidade de recurso de embargos de declaração. Depois de esgotados os prazos, a 13ª Vara Federal será informada para dar andamento ao cumprimento das penas.