Vacinação infantil contra a covid-19 de crianças de 10 anos ou mais, no Planetário, no bairro da Gávea, zona sul da cidade.
© Tânia Rêgo/Agência Brasil
Educação

Secretaria já vacinou 63 mil estudantes no Rio de Janeiro

Programa da prefeitura leva vacina para as escolas


Publicado em 07 de Março de 2022 às 12:19 Por Cristina Indio do Brasil - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro (Ver Fonte)

O Programa Vacina na Escola, da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SME), para motivar a imunização infantil, atendeu em três semanas 63 mil crianças de 5 a 11 anos de idade. De acordo com o secretário Renan Ferreirinha, o prazo da ação é de 45 dias e a meta é a aplicação da vacina em mais 200 mil estudantes. Os pais e responsáveis podem acompanhar ou autorizar a aplicação das doses nas crianças. Além das unidades escolares, a imunização infantil pode ser feita nos postos de saúde.

“Temos mais pela frente três ou quatro semanas de programa. Como chegou no meio, a gente acredita que [63 mil] é um número significativo e bastante expressivo. É óbvio que queremos chegar à totalidade das crianças. Muitas dessas crianças vêm junto com os seus responsáveis e as famílias estão se conscientizando a respeito disso. A escola tem um papel fundamental também nesse processo, não só de proporcionar um espaço que a criança está acostumada, que ela conhece e se sente à vontade, mas também de conscientizar para a importância da vacina”, disse o secretário, acrescentando que há relatos de responsáveis que receberam mensagens em redes sociais com informações falsas sobre as vacinas que precisam ser combatidas.

Segundo Ferreirinha, todas as 1.307 unidades escolares do Rio de Janeiro receberão a vacinação infantil conforme a chegada das doses na cidade. “À medida que está chegando a gente tem sido bastante célere na distribuição junto com os profissionais de saúde nessa parceria entre a Secretaria Municipal de Educação e a Secretaria Municipal de Saúde. A gente acredita que vacinar é um ato de amor. É um ato que permite mais abraços, mais afeto e mais carinho e é a saída da pandemia. Por isso, que a [secretaria de] Educação e a [secretaria de] Saúde estão juntas nesse ato de vacina nas escolas”.

O secretário chamou atenção para a importância das doses de reforço. “[É preciso] Reforçar a necessidade da terceira dose para toda a população carioca. Eu, particularmente, tomei a minha terceira dose hoje. Se tem uma coisa que educadores entendem é reforço. É reforço escolar, é reforço na saúde. É para isso que a gente está motivando também toda a população carioca a tomar a sua dose de reforço para que a gente consiga ter taxas bastante satisfatórias e consiga vencer a pandemia de forma conjunta”, disse.

Adesão

Em situações diversas, como o caso de uma criança em contato com alguém com a covid-19 em casa e não poder comparecer na escola no dia marcado, a secretaria tem uma estratégia para que ela não fique sem a imunização. “O importante é deixar claro que em qualquer circunstância nós iremos contornar e faremos de tudo para que essa criança possa ser vacinada, seja em outro dia na escola ou até proporcionando a ida dela a um posto de saúde ou de vacinação mais perto de onde a criança estuda ou reside”, assegurou.

Evasão escolar

Ontem (6), a Secretaria de Educação lançou a campanha Bora pra a Escola, todos juntos num mesmo time!, em parceria com os quatro grandes clubes da cidade - Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo - e a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro. Por meio de busca ativa, a secretaria identifica as crianças que estão fora das escolas.

Pelos dados da secretaria, ainda há 5 mil estudantes que não retornaram às escolas no município. “Queremos que todas as crianças do Rio estejam estudando. Local de criança é na escola. No ano passado, tínhamos 25 mil crianças que não estavam indo nem presencial e nem interagindo de forma remota. Começamos diversos esforços de busca ativa para resgatar essa garotada, e através de carro de som, carro da educação na rua, mensagens de diretores e professores para as diferentes famílias, parcerias locais com o comércio, subprefeituras. Conseguimos resgatar 20 mil alunos de volta para a sala de aula. Esse foi um grande passo, mas não estamos satisfeitos, ainda temos 5 mil alunos que estão afastados das escolas e a gente quer que todos estejam indo, ninguém pode ficar para trás”, disse Ferreirinha.

O secretário disse que está muito esperançoso com o programa, uma vez que as crianças podem ser motivadas pelas mensagens de seus ídolos do futebol. “Com os vídeos dos atletas e profissionais de futebol, nessa parceria institucional, a gente vai conseguir chegar em cada uma dessas crianças e vai deixar claro que neste jogo não há rivalidade. Todo mundo tem que ganhar”.

Ouça na Radioagência Nacional:


 

 

Edição: Fernando Fraga