Samsung Galaxy Fold em detalhes: veja curiosidades do celular dobrável
Celulares e Tablets

Samsung Galaxy Fold em detalhes: veja curiosidades do celular dobrável

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

O Galaxy Fold, celular dobrável da Samsung, está de volta às mãos do público após retornar para a mesa de projetos por causa de defeitos e críticas quanto à resistência. Além de um início de vida polêmico, o smartphone traz ficha técnica com características ambiciosas que chamam a atenção. Sua tela principal de 7,3 polegadas, com painel em AMOLED Dinâmico, pode ser fechada como se fosse um livro. O aparelho tem ainda um display auxiliar de 4,6 polegadas para conferir informações mesmo que esteja fechado.

Suas especificações incluem seis câmeras ao todo (três na traseira, duas no centro e uma na área frontal), uso de até três apps simultaneamente e suporte à rede 5G. O lançamento chegou em 6 de setembro na Coreia do Sul, com o preço de US$ 1.980 (cerca de R$ 8.040, sem considerar os impostos). Até o momento, porém, não há previsão de desembarque no Brasil. O TechTudo conferiu o Galaxy Fold de perto na IFA 2019, feira que começou em Berlim na última semana, e trouxe a seguir cinco fatos curiosos sobre ele.

Testamos o Nokia 800 Tough, o novo telefone tijolão indestrutível

Quer comprar celular, TV e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo

1. Tela dupla

O design do Galaxy Fold é bastante futurístico e ele chega com duas opções de cores: preta ou cinza. Seu grande destaque, porém, é a tela dupla e flexível, que promete inaugurar uma nova categoria de dispositivos "2 em 1" no mercado. Isso porque o usuário pode escolher entre usá-lo somente com display pequeno de celular ou com tela grande, que lembra um tablet. É possível abrir o aparelho como se fosse um livro, o que revela a tela principal flexível e dá ao modelo a aparência de tablet. Caso não queira abrir a telona, o dispositivo "fechado" fica mais compacto e parecido com um telefone normal.

O display principal de 7,3 polegadas tem resolução QXGA+ e exibe imagens na proporção 4,2:3. Já o painel secundário, que fica na parte externa do smartphone, tem 4,6 polegadas com resolução HD+ e proporção de 21:9 – ele é chamado de cover display.

2. Abre três apps ao mesmo tempo

O celular dobrável da Samsung conta com especificações de ponta. Sua ficha técnica inclui memória RAM de 12 GB e armazenamento de 512 GB, com suporte a cartão de memória, e bateria de 4.380 mAh (modelo normal) ou 4.235 mAh (opção 5G). O telefone roda o sistema operacional Android 9 (Pie), modificado com a interface Samsung One UI, além de contar com o recurso App Continuity (Continuidade de Aplicativos, em tradução livre), que detecta aplicativos abertos em uma tela para replicá-los no segundo display.

Para usuários que gostam de fazer várias atividades ao mesmo tempo, o Galaxy Fold oferece a função Janela Multi-Ativa. A novidade permite abrir até três aplicativos simultaneamente na tela principal e realizar multitarefas. A ferramenta possibilita, por exemplo, editar imagens, responder mensagens e navegar no Google Maps – tudo de forma simultânea.

3. Seis câmeras

Para os amantes de fotografia, o Galaxy Fold promete entregar o que há de mais avançado no mercado. O smartphone é equipado com seis câmeras no total, distribuídas da seguinte forma: uma externa, na parte frontal; duas na parte interna do celular, sobre a tela grande dobrável; e três na traseira, o conjunto principal.

A câmera externa conta com 10 megapixels e abertura de f/2.2. O conjunto principal, composto por três sensores, é o localizado na traseira do dispositivo. Uma câmera é ultra grande angular com ângulo de visão de 123°, que traz 16 megapixels e abertura de lente f/2.2. Já a segunda é uma grande angular de 77° com 12 MP e lente de abertura variável, alternando entre f/1.5 e f/2.4, além de contar com tecnologia Dual Pixel e estabilização óptica (OIS).

Por fim, a terceira câmera também tem 12 megapixels, mas possui uma lente teleobjetiva e abertura fixa de f/2.4. Entre seus recursos adicionais, estão PDAF (Phase Detection AutoFocus, ou autofoco por detecção de fase) e também estabilização óptica.

Para fechar o conjunto fotográfico, há ainda uma dupla de câmeras na parte interna, que está alocada na frente do smartphone quando ele está aberto. São dois sensores, sendo um de 10 megapixels e outro de 8 MP.

4. Funciona com 5G

O Galaxy Fold faz parte do portfólio de quatro celulares da Samsung compatíveis com redes 5G, junto com os Galaxy S10, Galaxy Note 10 e o mais barato Galaxy A90 5G. A promessa da conectividade é de oferecer velocidade até 50 vezes maior do que a rede 4G, de até 5 Gb/s em condições ideais, o que pode favorecer aparelhos com Internet das Coisas (IoT), por exemplo.

Embora os avanços do 5G no exterior sejam nítidos, a implementação da conexão ainda caminha lentamente no Brasil. A expectativa é de que a conectividade só chegue ao país a partir de 2020. Outro dado interessante é que as redes 5G de telefonia móvel prometem ser mais populares do que o 4G até 2021, segundo relatório da consultoria Canalys publicado em julho.

5. Primeira versão defeituosa

Além de surpreender pela inovação, a tela também chamou a atenção após passar por polêmicas antes do lançamento. Isso porque, em abril, unidades emprestadas pela Samsung a jornalistas americanos apresentaram problemas no display. Profissionais de tecnologia acostumados a fazerem testes em aparelhos reclamaram sobre a fragilidade da tela e também sobre a entrada de partículas no telefone.

Logo após a polêmica, a fabricante sul-coreana revisou o design para impedir a entrada de sujeiras no interior do celular. Outra alteração ficou por conta da camada que envolve o display, que passou por mudanças para ocupar melhor as bordas e dificultar qualquer tentativa de remoção. A fabricante também adicionou camadas de metal por baixo da tela para deixá-la mais resistente, principalmente quando você toca e interage com o display.

Vale lembrar que o Huawei Mate X, smartphone com tela flexível da fabricante rival chinesa, também teve o lançamento adiado por causa da preocupação em relação à durabilidade.

*A jornalista viajou para a Alemanha a convite da Intel

Barra de notificações do Android sumiu: o que fazer? Comente no Fórum do TechTudo