Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto
© 24/09/2020/Raphael Rbeiro/BCB
Economia

Presidente do BC prevê crescimento no segundo semestre com vacinação 

Para Campos Neto, país seguirá modelo de países com imunização massiva


Publicado em 25 de Junho de 2021 às 19:34 Por Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil - São Paulo  (Ver Fonte)

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse hoje (25) que, apesar das incertezas decorrentes da pandemia de covid-19, o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país) do país deverá continuar a crescer no segundo semestre do ano. Segundo ele, com o avanço da vacinação contra a doença, o Brasil deverá seguir o mesmo caminho de países onde a imunização já é massiva.

“O que gente está vendo em alguns países onde a vacinação foi efetiva é que o número de óbitos caiu barbaramente, e as pessoas estão voltando a viver uma vida muito próxima da normalidade. Então, nós entendemos que isso é um processo que vai acontecer [aqui], uma vez que o Brasil está acelerando na vacinação de forma considerável agora”, disse, em evento virtual da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). 

Em relatório divulgado ontem, o BC aumentou a projeção para o crescimento da economia do país em 2021. A estimativa para a expansão do PIB passou de 3,6% para 4,6%. Segundo o órgão, apesar da intensidade da segunda onda da pandemia de covid-19, os indicadores recentes da atividade econômica interna continuam mostrando evolução mais positiva do que o esperado.

A despeito do aumento da projeção, o presidente do BC ressalvou que o processo de crescimento ainda não pode ser previsto com exatidão. “Existe muita incerteza em relação ao segundo semestre, nós entendemos que o avanço da vacinação e essa reabertura vai ser um processo contínuo, entendendo que, obviamente, existe um elemento de incerteza em relação a essa reabertura, em como esse processo vai se dar”, acrescentou Campos Neto. 

Edição: Fábio Massalli