Na contramão dos passageiros, fluxo de cargas em Viracopos tem pior índice em dois anos
Campinas e Região

Na contramão dos passageiros, fluxo de cargas em Viracopos tem pior índice em dois anos

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

A movimentação de cargas no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), registrou o pior número dos últimos dois anos no acumulado de janeiro a julho. De acordo com dados da concessionária Aeroportos Brasil, que administra a estrutura, foram movimentadas 126,3 mil toneladas no terminal neste ano, índice mais baixo desde 2017, quando passaram pelo empreendimento 104,1 mil toneladas de mercadorias no período.

O número dos setes meses de 2019 é 3% menor que as 130,6 mil toneladas do ano passado, quando o aeroporto teve o melhor ano da história da concessão na movimentação de cargas. Veja no gráfico abaixo todos os dados de carga de janeiro a julho desde 2013, primeiro ano completo de privatização e quando a concessionária começou a divulgar as estatísticas. Os índices correspondem a importação, exportação, cargas domésticas e remessas expressas.

Segundo os dados da concessionária, o fluxo de cargas domésticas registrou aumento de 996% e passou de 1,9 mil toneladas para 21 mil toneladas. Já as movimentações internacionais, que reúnem exportações e importações, caíram de 128,6 mil para 105,2 mil, o que equivale a uma queda de 18%.

A concessionária Aeroportos Brasil informou, em nota, que a diminuição do volume de cargas está diretamente ligada à queda do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. A economia brasileira registrou retração de 0,13% no segundo trimestre de 2019, segundo o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), uma espécie de "prévia" do PIB, divulgada na segunda-feira (12).

"Outro fator para explicar esta queda é que ela reflete uma tendência apresentada em nível mundial, conforme estudo da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), a demanda global por transporte aéreo de carga (...) teve queda 4,8% em junho em relação a igual mês de 2018, configurando a oitava baixa consecutiva nessa base de comparação", diz o texto da nota.

Veja mais notícias da região no G1 Campinas