Tiroteio em uma estação de metrô em Nova York
© Reuters/Jeenah Moon/direitos reservados
Internacional

EUA: atirador detona bomba de fumaça e deixa 16 feridos em metrô

Incidente ocorreu na estação da Rua 36, no Brooklyn, em Nova York


Publicado em 12 de Abril de 2022 às 18:20 Por Maria Caspani e Jonathan Allen - Repórteres da Reuters - Nova York (Ver Fonte)

Um homem armado mascarado detonou uma bomba de fumaça e abriu fogo em um vagão do metrô de Nova York nesta terça-feira, ferindo 16 pessoas e deixando o trajeto matinal caótico, no mais recente ato de violência no sistema de transporte da cidade, disseram autoridades.

Dez pessoas foram baleadas no incidente, disse a comissária de polícia de Nova York, Keechant Sewell, sem falar como os outros ferimentos ocorreram.

O atirador ainda está foragido e o incidente não está sendo investigado como um ato de terrorismo, disse a comissária sem, entretanto, descartar a hipótese. 

De acordo com vídeos divulgados, a fumaça começou a sair do vagão do trem quando ele chegou à plataforma da estação da Rua 36, em Sunset Park, no Brooklyn. Usuários do metrô saíram correndo e alguns deles caíram no chão. Imagens mostraram rastros de sangue na plataforma. 

"Nesta manhã, um trem da linha N que se dirigia sentido Manhattan e um indivíduo naquele trem, usando o que parecia ser uma máscara de gás, abriu sua bolsa e tirou uma lata e a abriu", disse Keechant Sewell em entrevista coletiva. 

"Naquele momento, o trem começou a se encher de fumaça. Ele então abriu fogo, atingindo várias pessoas no metrô e na plataforma", acrescentou a comissária.

O suspeito seria um homem negro de biotipo forte, que usava um colete verde de construção e uma blusa com capuz, completou.

Fora da estação da Rua 36, em uma área conhecida pela movimentada Chinatown e pela vista da Estátua da Liberdade, as autoridades fecharam cerca de uma dezena de quadras, e isolaram a área do incidente com fitas amarelas para delimitar a cena do crime. 

Tacho Ramos, que estava trabalhando em uma lanchonete próxima à estação, disse que achou que havia uma briga no trem, ao notar a movimentação. "Mas aí eu vi a polícia... Esse país é assim. É loucura. Hoje é em Nova York, amanhã é Washington, depois Chicago", disse. 

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o secretário de Justiça e procurador-geral, Merrick Garland, foram informados sobre as últimas notícias envolvendo o ataque, segundo a Casa Branca e o Departamento de Justiça.

A equipe da Casa Branca entrou em contato com o prefeito de Nova York, Eric Adams, e com a comissária de polícia para oferecer assistência.

Juliana Fonda, uma engenheira de transmissão da estação de rádio WNYC, disse ao site de notícias locais Gothamist que ouviu tiros enquanto estava em um vagão adjacente do metrô. 

"A reação dos passageiros foi aterrorizante, porque eles estavam tentando entrar no nosso vagão para fugir de algo que estava acontecendo no final do trem", disse.

Nos últimos meses, a cidade de Nova York tem passado por uma alta na violência por armas em geral, com uma série de ataques no sistema de transportes públicos da cidade, um dos mais antigos e mais extensos do planeta.

Autoridades policiais locais e federais se reuniram na cena, observados por pequenos grupos de pessoas amontoadas nas calçadas, se protegendo da garoa embaixo dos prédios. Muitos dos policiais estavam vestindo coletes à prova de bala e capacetes.

 

*É proibida a reprodução deste conteúdo