Estudo com dados de quase 17 mil pessoas encontra 8 mutações genéticas associadas à anorexia
Ciência e Saúde

Estudo com dados de quase 17 mil pessoas encontra 8 mutações genéticas associadas à anorexia

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

As causas psiquiátricas da anorexia são confirmadas, mas um inédito estudo global publicado na revista "Nature Genetics" encontrou oito mutações relacionadas à doença. Para chegar a esse resultado, um grupo com mais de 100 cientistas analisou os dados de 16.992 casos da doença, em 55.525 prontuários públicos registrados em 17 países da América do Norte, Europa, Austrália e Ásia.

É importante conhecer o caminho de outras pesquisas para reconhecer o avanço. A anorexia é uma doença grave e que pode ser fatal – tem uma taxa de mortalidade mais alta que outras doenças psiquiátricas. É um distúrbio alimentar que leva à perda de peso excessiva, com quadros crônicos que podem durar por anos. No Brasil, são cerca de 150 mil casos por ano.

Um dos estudos anteriores mais completos disponíveis sobre o assunto é uma revisão de 36 artigos publicada em 2011, na Jama Psychiatry. Os pesquisadores John Arcelus, Alex Mitchell e Jackie Wales analisaram 12.808 casos, que resultaram em 639 mortes (taxa de 5,10 por 100 mil). Conclui-se que o índice de mortalidade entre anoréxicos é maior do que o encontrado em esquizofrênicos (2,8 para por 100 mil para homens e 2,5 por 100 mil em mulheres) e pacientes com transtorno bipolar (1,9 e 2,1 por 100 mil).

A doença atinge 0,9% a 4% das mulheres e 0,3% dos homens. Há um fator de hereditariedade de 50% a 60% determinado em uma pesquisa comparativa feita com gêmeos e indivíduos adotados: outra análise genética de transtornos alimentares. Segundo os autores Jeynep Yilmaz, J. Andrew Hardaway e Cynthia Bulik, o risco de desenvolver o quadro é 4 vezes maior em membros da mesma família com anorexia - esse índice aumenta para 11 vezes para o sexo feminino em comparação com outras pessoas sem parentes com a doença.

Os resultados, no entanto, não apontavam genes relacionados a um risco maior de desenvolver a anorexia. No novo estudo, a análise genômica de larga escala resultou na identificação dessas oito variações genéticas. O resultado mostra que as causas da doença também são metabólicas, além de psiquiátricas.

"Por muito tempo houve a incerteza sobre onde enquadrar a anorexia nervosa devido à mistura de aspectos físicos e psiquiátricos. Nossos resultados confirmam essa dualidade e sugerem a integração de um diagnóstico metabólico do paciente para que os médicos desenvolvam uma forma melhor de tratar o distúrbio", disse a pesquisadora Janet Treasure, do Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociência da King's College de Londres, instituição que lidera a pesquisa com ao lado da Universidade da Carolina do Norte.

A arquitetura genética da anorexia é um espelho do quadro clínico:

  • Há uma correlação genética significativa com distúrbios psiquiátricos, como transtorno obsessivo-compulsivo, depressão, ansiedade e esquizofrenia;
  • Fatores genéticos também aumentam a propensão à atividade física, um dos fatores que podem explicar a tendência de pessoas com anorexia nervosa serem bastante ativas;
  • Características metabólicas estão relacionadas à base genética: índice glicêmico, lipídico (gordura) e medidas corporais.

"Este é um estudo que aumenta significativamente nossa compreensão sobre as origens genéticas da doença. Nós encorajamos pesquisadores a examinar os resultados e considerar como eles podem contribuir para novos tratamentos", disse Andrew Radford, diretor-executivo da Beat, instituição de caridade para pacientes com distúrbios alimentares.