Crescimento da área de grãos em MS demonstra tecnologia aplicada e sustentabilidade do setor, aponta presidente da Famasul
Mato Grosso do Sul

Crescimento da área de grãos em MS demonstra tecnologia aplicada e sustentabilidade do setor, aponta presidente da Famasul

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

O presidente do Sistema Famasul, Mauricio Saito, destacou que o crescimento de aproximadamente 4% na área cultivada com grãos em Mato Grosso do Sul no ciclo 2018/2019 é uma demonstração dos investimentos que os produtores têm feito na utilização de novas tecnologias e da preocupação com a sustentabilidade da produção.

“Mato Grosso do Sul é um exemplo de produção baseada em sustentabilidade. O fato de sermos o único estado no ciclo 2018/2019 a aumentar a área de produção de grãos já demonstração essa capacidade que o estado tem em alocar as tecnologias de produção dentro do seu sistema. Então, esse aumento próximo de 4% de área de grãos, demonstra isso com a passagem de áreas de pastagens degradadas para a de produção de grãos”, disse em entrevista ao “Papo das Seis”, do Bom Dia MS desta quarta-feira (11).

Saito também destacou a importância de mais dois frigoríficos de aves do estado terem sido habilitados para fazerem a exportação para a China. “Temos com essa habilitação uma possibilidade de incremento regional e automaticamente ao estado de Mato Grosso do Sul. Nos traz novos mercados. Temos que lembrar que a China é um grande player e que a média que o país pagou de janeiro a agosto de 2019 na tonelada de carne de frango supera os R$ 4.900, 27% acima do preço praticado em outros países em média”, ressaltou.

Ele aponta que mais duas plantas serem incluídas no rol das que podem exportar para o país asiático ainda pode estimular o setor como o um todo. “A partir do momento em que algumas plantas têm a habilitação, outras também vão buscar essa habilitação. Aí, como consequência você tem a movimentação da economia e como consequência aumento de emprego”.

Veja abaixo a entrevista do presidente do Sistema Famasul: