Vida social depois dos 60 diminui risco de demência, reforça nova pesquisa
Blog Longevidade: modo de usar

Vida social depois dos 60 diminui risco de demência, reforça nova pesquisa

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

A demência é um desafio global. Estima-se que pelo menos 50 milhões de pessoas tenham a doença, mas esse número vai aumentar com o rápido envelhecimento da população. Para se ter uma ideia, entre 1990 e 2016, dobrou o contingente de gente afetada pela enfermidade e a expectativa é de que sejam 150 milhões em 2050. Pesquisadores do University College London publicaram estudo longitudinal – que analisa um grande volume de dados ao longo de anos – na revista científica “PLOS Medicine” que mostra que ter uma vida social desempenha um papel importante para evitar a demência.

“Na Grã-Bretanha, teremos cerca de um milhão de pessoas com demência até 2021, mas também sabemos que um em cada três casos pode ser evitado”, afirmou o médico Andrew Sommerlad, autor do trabalho. “Descobrimos que o convívio social na meia-idade e na velhice diminui o risco da doença. Temos que pensar em estratégias para promover maior conexão dentro das comunidades e combater o isolamento”, acrescentou.

O estudo se debruçou sobre dados de mais de 10 mil pessoas que foram entrevistadas em seis ocasiões, entre 1985 e 2013. Os participantes falavam sobre a frequência dos contatos sociais que mantinham com amigos e parentes. Além disso, a partir de 1997, submeteram-se a testes de cognição. Os pesquisadores checaram os registros de saúde desses indivíduos até 2017, para ver quantos haviam sido diagnosticados com demência.

O foco era checar a relação entre o convívio de gente na faixa dos 50, 60 e 70 anos com outras pessoas e uma proteção contra o declínio cognitivo – outros fatores, como escolaridade, estado civil e status socioeconômico também foram computados. O resultado foi claro: o aumento de convívio social fazia diferença. Uma pessoa na faixa dos 60 que encontrasse amigos quase diariamente tinha 12% menos chances de desenvolver demência do que uma que só visse um ou dois amigos em intervalos de meses. Nos grupos de 50 e 70 anos, a estatística não era tão significativa, mas os pesquisadores avaliam que os benefícios são os mesmos. “Quem se engaja socialmente exercita suas habilidades cognitivas, como linguagem e memória, o que pode ajudar a criar uma espécie de ‘reserva’ mental”, explicou Gil Livingston, também professor da universidade.