Hospital atingido por bombardeio em Sievierodonetsk, na região de Luhansk, na Ucrânia
© Serviço de Imprensa do Serviço de Emergência da Ucrânia/Divulgação via REUTERS
Internacional

Ucrânia diz que 10 hospitais foram destruídos desde início da invasão

Outros não puderam ser reabastecidos com remédios e suprimentos


Publicado em 22 de Março de 2022 às 09:07 Por Natalia Zinets - Repórter da Reuters* - Lviv (Ucrânia) (Ver Fonte)

O ministro da Saúde ucraniano, Viktor Lyashko, disse nesta terça-feira (22) que dez hospitais foram completamente destruídos desde que a Rússia invadiu a Ucrânia. Acrescentou que outros não puderam ser reabastecidos com medicamentos e suprimentos por causa dos combates nas proximidades.

Em pronunciamento na televisão nacional, Lyashko afirmou que os testes de covid-19 estão sendo realizados somente em áreas onde não há combates, o que complica os esforços para rastrear a doença.

Zelenskiy

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, falou com o papa Francisco. Ele disse que saudaria o papel de mediação da Santa Sé nas conversações com a Rússia. O papa criticou implicitamente a Rússia e chamou o conflito na Ucrânia de injustificado "massacre sem sentido".

"Disse à Sua Santidade sobre a difícil situação humanitária e o bloqueio dos corredores de resgate pelas tropas russas. O papel mediador da Santa Sé para o fim do sofrimento humano seria apreciado", disse Zelenskiy em um tuíte.

Kremlin

 O Kremlin rejeitou os alertas dos Estados Unidos (EUA) de que a Rússia poderia estar se preparando para conduzir ataques cibernéticos em resposta às sanções ocidentais.

Em entrevista, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou que, "ao contrário de muitos países ocidentais, incluindo os EUA, a Rússia não se envolve em banditismo".

Os Estados Unidos alertaram nessa segunda-feira que tinham informações "em evolução" de que o governo russo estava explorando opções para possíveis ataques cibernéticos.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.