Odair minimiza críticas, vê Inter guerreiro e lembra perda do pai após dor do vice: "Tempo e vitória"
internacional

Odair minimiza críticas, vê Inter guerreiro e lembra perda do pai após dor do vice: "Tempo e vitória"

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

Assim como qualquer colorado, Odair Hellmann convive com a tristeza pela perda do título da Copa do Brasil. Porém, tratou de enfrentar a decepção para reagrupar o Inter e buscar a vitória por 1 a 0 sobre a Chapecoense neste domingo no Beira-Rio.

Quase uma hora após a partida diante dos catarinenses, às 13h51, o treinador apareceu à sala de entrevistas. Ficou na sabatina por cerca de 25 minutos. O jogo, claro, entrou em pauta, mas principalmente em relação ao estado do grupo após ser superado pelo Athletico na decisão do nacional.

O vice-campeonato trouxe o retorno das desconfianças. O grupo, bem como o técnico, sofreu com vaias. A torcida protestou com o cântico "seja mais guerreiro! Isso é Inter, não é Grêmio", em relação a uma suposta falta de dedicação. Odair reconhece que tanto os pupilos quanto ele cometem equívocos, mas que o vestiário é comprometido.

Vieram 25 mil no domingo de manhã após a perda do título Só podemos agradecer. Um setor que falou em mais guerreiro, mais raça. E nunca faltou raça, guerreiro, vontade. Posso errar com escolha, decisão, o jogador uma tentativa. mas essa equipe entrega. Sempre foi e será assim enquanto estiver aqui.

- O torcedor veio calado no primeiro momento. Quando começou incentivo. Durante o jogo queria o resultado, aí surgiu a pequena parte com as manifestações, mas não podemos falar. Só da pequena parte que foi para esse caminho. A maioria aplaudiu. Isso precisa ficar claro. Quanto às vaias, situações a alguns, faz parte. Também já fomos aplaudidos. Vir de uma derrota dessas é natural, que na próxima não tenha mais. Mas algo que tenho certeza. Quanto mais desunião, mais dificuldade. Quanto mais força, certeza que passaremos por isso. Cada dificuldade que vier conseguiremos transpor, mas respeito às manifestações, escalação inicial - declarou.

Em meio a este ambiente, o técnico falou sobre a postura da equipe. Reiterou a dedicação para construir o placar, mas admitiu que houve oscilação. Entretanto, a luta incessante pela vitória acabou coroada com o gol de Rodrigo Lindoso.

- A equipe como um todo desde o início, buscou, insistiu, foi guerreira como sempre é para buscar o resultado. Em alguns momentos com mais calma e tranquilidade, em alguns momentos com mais pressa. É aquele negócio da luta, direita, esquerda, jab. Você tenta variar ações para ser vitorioso. Conseguimos, além de tudo ter dois gols anulados. Você fica mais ansioso, nervoso, mas a equipe está de parabéns - afirma.

Fiel ao grupo, Odair lembrou de como foi o trabalho nos dias que sucederam a Copa do Brasil. O vestiário, desolado pela perda do título, precisava recuperar a energia para mostrar forçar e dar uma resposta. A conversa foi a tônica neste período entre Furacão e Chape.

O treinador comentou que um profissional do futebol, bem como o torcedor, sofre quando um sonho, no caso o título escapa. E traçou um paralelo com a vida. Odair citou a morte do pai, Adolfo Hellmann, há três anos. A perda do ente, do espelho foi sentida. A dor machuca, mas, com o tempo, você precisa encarar e guarda os bons momentos busca passar os ensinamentos.

Em vários momentos conversamos, antes do treino. Você tem que vir aqui no outro dia, montar taticamente. Saímos muito chateados, dói e doerá durante um bom tempo. Na vida, quando acontece algo ruim, nem quero exemplificar, mas algo ruim, difícil, você tem o tempo para amenizar.

- Eu perdi o meu pai há três anos. Ele não volta mais. O que ocorre na minha vida? A saudade. Eu chorei quieto no meu canto pela dor. Isso na vida particular. Se você chorar, não levanta. No futebol, a vitória e o tempo, mas o tempo sem a vitória não ameniza a dor. Hoje tivemos que buscar coletivamente um padrão, mas caso não ocorresse precisávamos ganhar, crescer, ter confiança. Precisamos deixar para trás. Temos que aprender, visualizar. No futebol, esporte, é vencer. Na vida, o tempo cura separação, doença, perda. A dor continua, mas o tempo diminui para você seguir a vida. No esporte ou você vence ou a dor não diminui - finaliza.

Com o resultado, o Inter soma 36 pontos e está em quarto no Brasileirão. Na próxima rodada, o time de Odair Hellmann enfrenta o Flamengo. A partida será nesta quarta-feira, às 21h30, no Maracanã.

Transforme sua paixão em amor para a vida toda. Associe-se agora