Mulher é detida depois de tentar escalar, descalça, monumento histórico nos EUA
Mundo

Mulher é detida depois de tentar escalar, descalça, monumento histórico nos EUA

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

Uma mulher de 30 anos foi detida e multada em US$ 1 mil (R$ 3,76 mil) por tentar escalar, na última sexta-feira (12), o Monte Rushmore, monumento histórico no estado americano da Dakota do Sul.

Alexandria Incontro subiu a estrutura de granito descalça e sem corda até chegar a apenas 4,5 metros do topo, disseram as autoridades.

O monumento, de 1.745 metros de altura, foi concluído em 1941 e representa quatro ex-presidentes americanos: George Washington, Thomas Jefferson, Theodore Roosevelt e Abraham Lincoln. A escalada dele é ilegal, e há várias placas avisando as pessoas para não subirem na estrutura.

Várias pessoas a viram escalando o monte por volta das 19h de sexta (12), quando Alexandria usou uma "rota" entre os presidentes George Washington e Thomas Jefferson, segundo documentos acessados pelo jornal local "Rapid City Journal".

Um guarda pediu a Alexandria que descesse, e ela respondeu dizendo algo como "você quer que eu desça rápido ou devagar?", diz o relatório. Mas continuou subindo mais alto.

O guarda então subiu e conversou com Alexandria por vários minutos antes de ela concordar em descer. Depois, ela foi revistada e algemada.

A turista visitava o monte com seus dois filhos e mais de uma dúzia de outros membros da família. Ela é originalmente de Omaha, no estado vizinho do Nebraska.

Na segunda-feira (15), ela se declarou culpada em um tribunal federal em Rapid City, na Dakota do Sul. Além da multa de mil dólares, ela terá que pagar uma taxa de US$ 30 (cerca de R$ 113).

Os procuradores retiraram outras acusações: invasão de propriedade não aberta ao público; violação do limite de uso público; e a desobediência a uma ordem legal.

Alexandria não é a primeira pessoa a escalar o Monte Rushmore. Um jovem de 19 anos foi multado, também em US$ 1 mil, em julho passado.