Mosaic retoma parcialmente operação no Complexo de Tapira
Triângulo Mineiro

Mosaic retoma parcialmente operação no Complexo de Tapira

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

A Mosaic Fertilizantes retomou nesta segunda-feira (15) a produção no Complexo de Mineração de Tapira, no Alto Paranaíba. A unidade voltou a operar com 60% da capacidade operacional e a retomada parcial das operações de beneficiamento foi possível através da obtenção da Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) da barragem BR e das adequações operacionais realizadas no Complexo.

As operações de beneficiamento do Complexo Mineroquímico de Tapira estavam paralisadas desde o dia 11 de abril, quando as barragens do complexo BR e BL-1 não atingiram o fator de segurança exigido pela nova legislação.

Questionada pelo G1 como a liberação foi obtida, a Mosaic se manifestou através de nota.

“No final de maio, após concluir as ações recomendadas pela consultoria contratada, uma nova auditoria da barragem comprovou o atendimento aos requisitos da nova legislação. Desta forma, a Mosaic Fertilizantes obteve a Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) para a barragem BR e o comunicado de desinterdição desta estrutura foi devidamente encaminhado à Agência Nacional de Mineração (ANM)”, diz trecho.

Em relação aos funcionários, a empresa afirma que eles não foram afetados pela paralisação das operações. Parte da equipe entrou em férias concentradas neste período para um melhor equilíbrio das atividades.

Sobre a previsão para que o complexo volte a operar na capacidade total, a Mosaic diz que “todas as medidas estão sendo tomadas para que a outra barragem em Tapira, BL1, atinja os novos padrões de segurança definidos pela ANM até o final do terceiro trimestre de 2019”, conforme a nota.

Complexo Mineroquímico de Araxá

No dia 22 de fevereiro, a Mosaic Fertilizantes declarou situação de emergência na barragem de rejeitos B1/B4 do Complexo Mineroquímico de Araxá. A situação foi classificada como nível 1 e o PAEBM foi acionado.

De acordo com a empresa, a barragem B1/B4 permanece em nível 1 de emergência, pois não obteve a Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) nos termos das novas normas de segurança da Agência Nacional de Mineração (ANM), divulgadas em fevereiro deste ano.

“A empresa segue empenhada em concluir as ações necessárias para a obtenção da DCE o mais breve possível”, encerra a nota enviada pela Mosaic.