Júlia Soares, de 16 anos, conquista ouro no solo, na etapa de Baku do Mundial por Aparelhos da Ginástica Artística - em 03/04/2022
© Divulgação/CBG
Esportes

Júlia Soares é ouro no solo em etapa da Copa do Mundo da Ginástica

Revelação paranaense de 16 anos domina prova em Baku, no Azerbaijão


Publicado em 03 de Abril de 2022 às 12:49 Por Lincoln Chaves - Repórter da EBC - São Paulo (Ver Fonte)

A paranaense Júlia Soares fez história neste domingo (3). A atleta de apenas 16 anos conquistou a medalha de ouro no solo na etapa de Baku (Azerbaijão) da Copa do Mundo por Aparelhos de Ginástica Artística. A brasileira havia se classificado à decisão com a melhor nota (13.266) da eliminatória e garantiu o topo do pódio da final obtendo 13.433 de pontuação.

O pódio foi completado pela húngara Dorina Boeczoego (13.166) e pela uzbeque Dildora Aripova (12.866). Foi a primeira participação de Júlia em uma etapa de Copa do Mundo. Ela disputou a eliminatória da trave, mas não foi à final.

Não é a primeira vez que a paranaense impressiona. No ano passado, durante o Campeonato Pan-Americano da modalidade, no Rio de Janeiro, a jovem (de então 15 anos) homologou um novo elemento no código de pontuação da ginástica na trave: a entrada em vela (candle mount, na tradução do inglês) com uma meia pirueta no salto que leva ao aparelho.

Outra brasileira a competir foi Carolyne Pedro, medalhista de bronze por equipes nos Jogos Pan-Americanos de Lima (Peru), em 2019, junto com Flávia Saraiva, Lorrane Oliveira, Jade Barbosa e Thaís Fidélis. Também paranaense, ela ficou em quinto lugar na final das barras assimétricas, com nota 12.800. A francesa Lorete Charpy (13.866) foi a campeã, com as holandesas Naomi Visser (13.100) e Vera Van Pol (12.966) na sequência. Assim como Júlia, Carolyne não chegou à decisão da trave.

"Planejamos, para essa Copa do Mundo, uma oportunidade para que a Júlia pudesse ter sua primeira experiência num evento com essa envergadura. Já a Carol está voltando a competir depois de passar por uma cirurgia", disse a técnica Iryna Ilyashenko, antes da competição, ao site da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG).

Edição: Cláudia Soares Rodrigues