Governo é alertado por aliados que Congresso não votará 'tudo ao mesmo tempo'

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Parlamentares aliados do governo Bolsonaro já fizeram chegar ao Palácio do Planalto o alerta de que o governo precisa escolher uma prioridade neste primeiro semestre: e que deve ser a reforma da Previdência.

Nas palavras de um parlamentar com trânsito direto com o Planalto, se o governo tentar emplacar ao mesmo tempo a reforma da Previdência e o pacote anticorrupção e anticrime do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, corre o risco de não conseguir votar nada no primeiro semestre.

"O Congresso não consegue votar tudo ao mesmo tempo. É preciso ter foco", advertiu esse parlamentar.

Apesar do discurso oficial de que é preciso prioridade na proposta de Moro, na prática há uma forte resistência da chamada “bancada dos investigados”, que são parlamentares que estão na mira do Ministério Público Federal não só na Operação Lava Jato, mas também em outros casos de corrupção.

"Essa resistência ao projeto do ministro Moro tem uma outra razão: o espírito de sobrevivência dos parlamentares que estão na mira das investigações", reconheceu ao blog um senador da base aliada.

Em entrevista à GloboNews, o próprio presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) verbalizou o sentimento do Congresso que o pacote de Moro pode acabar atrapalhando a reforma da Previdência. Mas questionado diretamente sobre a resistência da chamada "bancada dos investigados" às medidas de combate à corrupção, evitou comentar.