Esposa de Carlos Ghosn nega ligação com empresa que comprou iate
Auto Esporte

Esposa de Carlos Ghosn nega ligação com empresa que comprou iate

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

A esposa do ex-presidente da Nissan, o brasileiro Carlos Ghosn, negou nesta quinta-feira (9) qualquer relação com uma empresa privada que comprou um iate com fundos desviados da montadora japonesa e também explicou o motivo do casal ter comemorado de graça sua festa de casamento no Palácio de Versalhes.

Carole Ghosn, uma cidadã americana e libanesa, concedeu entrevista por videoconferência de Nova York com o jornal japonês "Nikkei", na qual ela negou qualquer conexão com os fatos que o promotor de Tóquio atribuiu ao seu marido.

Um dos problemas está ligado a um iate particular que, segundo a promotoria, teria sido pago com dinheiro originalmente enviado a um distribuidor em Omã e parte desses fundos foram desviados para comprar a embarcação de luxo.

Segundo fontes da investigação, a compradora do iate era a empresa Beauty Yachts, sediada nas Ilhas Virgens Britânicas e presumivelmente presidida pela esposa de Carlos Ghosn, algo que ela nega. "Não tenho nada a ver com a empresa", afirmou. "Eu sou a responsável do barco. Eu o decorei, mas nem sequer sabia que havia uma companhia por trás da compra", acrescentou na entrevista.

No entanto, Carole Ghosn não esclarece se em algum momento perguntou quem comprou o iate do qual diz ser responsável, e se descobriu a origem do dinheiro utilizado para o pagamento.

Carlos Ghosn tem quatro acusações pendentes perante a justiça japonesa, duas delas por supostamente terem ocultado das autoridades compensações econômicas acordadas com a Nissan e outras duas por abuso de confiança agravado em detrimento da empresa japonesa.

Estas duas últimas alegações incluem alegadas irregularidades financeiras por Ghosn para desviar dinheiro da Nissan para cobrir perdas financeiras, viagens pessoais ou a compra de bens para uso particular, de acordo com a mídia local.

Carole Ghosn reside atualmente em Nova York com seus filhos, pois o tribunal restringiu os contatos com seu marido, com quem ela só pode se reunir com autorização judicial. Ghosn está em liberdade sob fiança desde o dia 25 de abril.

Na entrevista, Carole também insiste na versão de seus advogados que desconheciam como cobririam as despesas da festa de casamento realizada no Palácio de Versalhes em outubro de 2016, quando o marido também era presidente da Renault.

O Palácio de Versalhes não cobrou a Ghosn o aluguel dos salões onde aconteceram a cerimônia, com um custo calculado em 50 mil euros, mas foi imputado ao contrato de patrocínio que ele tem com a Renault e que permitiu que a firma usasse por horas essas salas.

"O erro foi que ninguém disse a Carlos: 'Escute, Versalhes descontou cinco horas do nosso espaço; talvez deveríamos pagá-lo'", explicou a esposa do ex-diretor da Nissan Motor, Renault e também da Mitsubishi. "Ninguém lhe disse, ele não sabia", insistiu Carole Ghosn.