Em discurso na cúpula do Mercosul, Bolsonaro diz que é preciso 'zelo' nas indicações para embaixadas
Política

Em discurso na cúpula do Mercosul, Bolsonaro diz que é preciso 'zelo' nas indicações para embaixadas

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (17) durante discurso 54ª Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul, na cidade de Santa Fé, na Argentina, que o bloco deve se concentrar em três áreas, sendo uma delas as negociações externas, com "zelo nas indicações das embaixadas".

Segundo o presidente, está definido que seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-PS) será indicado para assumir a embaixada do Brasil nos Estados Unidos. Para assumir o posto em Washington, Eduardo, caso seja indicado pelo pai, terá de ser aprovado pelo Senado e precisará renunciar ao mandato parlamentar.

"Compartilhamos aqui entre nós a visão de que para cumprir o seu papel de um motor do desenvolvimento, o nosso bloco deve concentrar-se em três áreas: As negociações externas, aí com o grande apoio do meu ministro das Relações Exteriores, no zelo das indicações das embaixadas, também sem mais o viés ideológico do passado, e quem sabe um grande embaixador nos EUA brevemente. Então, focamos nisso, na nossa tarifa externa comum, em nossa reforma institucional", declarou o presidente.

União Europeia

A reunião de chefes de Estado do Mercosul, na Argentina, foi a primeira desde o anúncio do acordo comercial entre o bloco e a União Europeia.

Em discussão há duas décadas, o acordo está em fase de revisão técnica e jurídica e, para entrar em vigor, precisará ser aprovado pelos parlamentos dos países envolvidos.

“Trata-se, então, da pedra fundamental de toda uma nova arquitetura de acordos de livre-comércio, o primeiro passo rumo à abertura do Mercosul para o mundo”, afirmou o presidente.

Bolsonaro afirmou que o acordo trará benefícios para os países envolvidos e creditou parte do sucesso nas negociações aos esforços do governo do ex-presidente Michel Temer no Brasil.

O presidente ainda lembrou que o anúncio foi feito em junho, enquanto ocorria reunião do G20 no Japão, e elogia a atuação de Macri, à frente do Mercosul, nas conversas.

“O Macri foi 10 para todos nós lá em Osaka”, disse Bolsonaro.