Movimetação do comércio nas lojas da SAARA (Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega), centro da cidade.
© Tânia Rêgo/Agência Brasil
Economia

Comércio do Rio espera 4% de crescimento em vendas para o Dia dos Pais

Preços médios dos presentes ficam entre R$110 e R$130 por pessoa


Publicado em 31 de Julho de 2023 às 13:22 Por Cristina Indio do Brasil - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro (Ver Fonte)

As vendas do comércio para o Dia dos Pais devem ter um crescimento de 4% em 2023. É o que mostra uma pesquisa feita pelo Clube dos Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDLRio) e pelo Sindicato dos Lojistas do Comércio do Rio de Janeiro (SindilojasRio), na última semana de julho. Ao todo foram ouvidos 250 lojistas de vários segmentos, como roupas, calçados, joias e relógios, livros, eletroeletrônicos, celulares, artigos esportivos, perfumes e acessórios masculinos.

A data, que é uma das mais importantes para o comércio no segundo semestre do ano, tem movimentado consumidores e comerciantes da cidade. Nas respostas, 70% dos lojistas relataram que na comparação com o ano passado, o movimento está melhor em 2023. Conforme calculam, o preço médio dos presentes deve ficar entre R$ 110 e R$ 130, por pessoa.

Para o presidente do CDLRio e do SindilojasRio, Aldo Gonçalves, o comércio varejista do Rio de Janeiro tem enfrentado as circunstâncias da conjuntura econômica com resiliência, que identifica como uma característica marcante da atividade. Aldo Gonçalves lembrou que ao abrir as lojas diariamente o setor enfrenta inúmeros custos, além de variáveis que exigem do comerciante capacidade de adaptação. Na visão dele, isso também torna a rotina empresarial um esforço absurdo para manter a estrutura organizacional em funcionamento.

“Assim, o lojista vai acompanhando a dinâmica das mudanças do mercado em compasso com os acontecimentos que recaem em seu ambiente operacional. No caso particular do Rio de Janeiro existem componentes que indicam um quadro de recuperação tanto a nível municipal, quanto estadual. Além disso, regionalmente o nível de emprego vem crescendo, com reflexos sobre o aumento da renda e nas expectativas de consumo”, observou.

O presidente disse não esperar uma explosão de consumo, mas identificou boas expectativas diante do avanço da confiança do consumidor. Segundo ele, por isso a performance esperada de vendas aumenta o ânimo dos lojistas em relação ao início de um segundo semestre mais promissor e de elevação nos ganhos. “Naturalmente que para o comerciante isso tem a ver com o que a economia fluminense tende a oportunizar de investimentos em turismo, startups, energia e nas indústrias de infraestrutura e óleo e gás, e com seus impactos estimados sobre o consumo”, completou.

Edição: Aline Leal