Cinco curiosidades sobre jogos Battle Royale nos celulares
Jogos de ação

Cinco curiosidades sobre jogos Battle Royale nos celulares

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

O sucesso dos jogos Battle Royale, como Fortnite e PlayerUnknown's Battlegrounds (PUBG), não é exclusivo dos computadores e consoles. Os games do gênero de sobrevivência lançados para celulares também são um importante motivo para que o estilo tenha se popularizado tanto, principalmente no Brasil. Títulos como Free Fire Battlegrounds e PUBG Mobile, por exemplo, impressionam pelo número de downloads nas lojas de aplicativos e pelo faturamento de dinheiro com microtransações. Confira, a seguir, cinco fatos sobre os jogos Battle Royale nos smartphones.

PUBG Mobile Lite ou Free Fire? Veja comparativo dos jogos Battle Royale

O jogo mais baixado no Brasil

Entre os Battle Royales para celulares, o mais baixado no Brasil é Free Fire Battlegrounds, da Garena. De acordo com um relatório do Sensor Tower, entre janeiro de 2018 e junho de 2019 foram aproximadamente 90 milhões de downloads de Battle Royales no país pelas lojas de aplicativos. Free Fire domina com aproximadamente 65 milhões de downloads, seguido de PUBG Mobile, com cerca de 20 milhões.

Graças a esse sucesso, Free Fire conseguiu prêmios no Google Play Awards por dois anos seguidos. Em 2018, foi considerado o melhor jogo pelo voto popular. Já em maio de 2019, o jogo foi eleito o mais inovador do ano.

Maior faturamento no mundo

Na primeira metade de 2019, o Battle Royale para celulares com maior faturamento no mundo foi PUBG Mobile. A desenvolvedora Tencent teve uma receita de US$ 860 milhões (aproximadamente R$ 3,3 bilhões) com o jogo, que contou com uma significativa ajuda do mercado chinês. O motivo é que a Tencent precisou relançá-lo no país sob o nome Game For Peace, em uma versão sem sangue, animações de morte e com outras restrições do governo da China.

Game For Peace faturou, somente no mercado chinês, mais de US$ 141 milhões (R$ 565 milhões) entre maio e junho desse ano. O valor, de acordo com o Sensor Tower, chega perto do faturamento total de PUBG nos Estados Unidos desde o seu lançamento, em março de 2018.

Free Fire já foi processado pelo PUBG? Entenda no Fórum do TechTudo

Mercado bilionário

E as expectativas para os Battle Royales não param de crescer. Segundo um relatório do grupo DFC Intelligence, o faturamento dos jogos do gênero deve ultrapassar US$ 5 bilhões (R$ 20 bilhões) em 2020. Cinco jogos são responsáveis por 90% de todo esse dinheiro: Fortnite, PUBG, Free Fire, Knives Out e Apex Legends. Desses, três possuem versões mobile ou são exclusivos para celulares.

Referências ao Brasil

O Brasil tem seu espaço em alguns dos Battle Royales mais famosos. Em PUBG, por exemplo, há uma região no mapa Miramar chamada de “Minas Generales”, uma homenagem ao estado de Minas Gerais. O criador do jogo, Brendan Greene, morou no estado na cidade de Varginha.

Já Free Fire Battlegrounds conta com o personagem Miguel, um Soldado de Elite das Forças Especiais. Sua fisionomia se assemelha bastante com o personagem Capitão Nascimento, interpretado por Wagner Moura nos filmes Tropa de Elite 1 e 2. O personagem logo chamou a atenção dos brasileiros pela semelhança. Além disso, o mapa Purgatório conta com uma região chamada "Brasília".

Proibido em países da Ásia

O conteúdo dos Battle Royales, entretanto, pode não ser visto com bons olhos por governos de determinados países. Foi mencionado acima o caso da China, que exigiu que PUBG fosse relançado seguindo uma série de restrições. Outros países do continente asiático também foram rígidos com relação ao teor violento do jogo. Jordânia, Nepal, Iraque e alguns estados da Índia já baniram o jogo das lojas de aplicativos.

Via Sensor Tower, Yahoo News

Quer comprar consoles, jogos e outros produtos com desconto? Conheça o Compare TechTudo