Chefe de gabinete do ICMBio saiu por 'falta de alinhamento' com direção, dizem colegas
Blog do Matheus Leitão

Chefe de gabinete do ICMBio saiu por 'falta de alinhamento' com direção, dizem colegas

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

A chefe de gabinete do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Clarisse Elizabeth Fonseca Cruz, pediu exoneração do cargo nesta sexta-feira (19) por "desalinhamento com a nova direção", segundo funcionários do órgão ouvidos pelo blog.

O ICMBio é responsável por 335 unidades de conservação federais, distribuídas em todos os biomas do país (Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa, Pantanal e Marinho).

Clarisse era ligada ao ambientalista Adalberto Eberhard, que deixou a presidência do ICMBio em abril deste ano. Após a saída dele, Clarisse tirou férias, teria tentado permanecer, o que é normal em cargos de confiança, mas desistiu pela "falta de alinhamento", de acordo com colegas, e deixou o cargo.

Com o pedido de exoneração, a agora ex-chefe de gabinete se juntou a três diretores do ICMBio que também pediram demissão após a saída de Adalberto Eberhard.

O ambientalista deixou o órgão depois que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ameaçou abrir processo administrativo contra servidores que não estavam presentes em uma agenda dele no Rio Grande do Sul, além de uma fala sobre a possível fusão entre o ICMBio e o Ibama.

Para o lugar de Adalberto, o ministro nomeou o coronel Homero de Giorge Cerqueira, que atuava como comandante da Polícia Militar Ambiental do Estado de São Paulo.

Clarisse será substituída por Mariana Bulat na chefia de gabinete, técnica-administrativa do instituto há quase cinco anos.