Câmara gasta R$ 3,9 bi com viagens; Crime organizado invade área protegida em SP. Jornais de segunda (24)
Blog do Matheus Leitão

Câmara gasta R$ 3,9 bi com viagens; Crime organizado invade área protegida em SP. Jornais de segunda (24)

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

A Folha de S.Paulo revela, em sua primeira página, que uma média de 26 deputados viajam todo mês para destinos turísticos fora do país com praticamente todas as despesas pagas pela Câmara dos Deputados.

O matutino cita como exemplo uma viagem feita pelo deputado José Airton Cirilo (PT-CE) e por outros sete parlamentares para locais turísticos de Lisboa e Fátima, em Portugal, como parte de uma missão oficial. De acordo com a Folha, as viagens são permitidas pelas regras da Casa, mas os deputados dão explicações precárias sobre os motivos do deslocamento.

Quando as viagens são autorizados, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aponta que o objetivo é dar aos deputados "novos conceitos, políticas públicas e experiências legislativas úteis ao Brasil".

No período de um ano, de janeiro de 2018 a janeiro de 2019, as viagens custaram cerca de R$ 3,9 milhões aos cofres públicos. Os dados foram obtidos pelo jornal via Lei de Acesso à Informação. "Deputados viajam a destinos turísticos com aval de Maia", sublinha a manchete da Folha.

Em sua primeira página, o Estado de S.Paulo chama atenção para o crescimento das invasões em terrenos protegidos por leis ambientais em São Paulo. Segundo o matutino, ao menos 24 áreas registraram novas invasões desde o ano passado, principalmente na zona sul da capital.

A maior parte dos terrenos invadidos está nos mananciais das represas Guarapiranga e Billings, ameaçando o abastecimento de água para cinco milhões de pessoas.

O Estadão afirma que há suspeita de que o crime organizado esteja coordenando as invasões e chega a vender terrenos irregulares por até R$ 100 mil. A suspeita é citada no pedido de abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara Municipal, que aguarda apreciação para sua instalação.

O jornal enfatiza que um dos suspeitos de coordenar as invasões era Wanderlei Lemes Teixeira, o Manolo, morto há cerca de dois meses. "Crime organizado lidera invasões de mananciais em SP", destaca o título principal do Estadão.

O Globo informa que governo pretende mudar as regras de leilões para concessão de rodovias com o objetivo de fazer com que o preço do pedágio varie conforme as condições da pista e a extensão do trecho percorrido por cada motorista.

O matutino carioca explica que a União deve realizar o leilão de 16 mil quilômetros de rodovias até 2022 e, entre os critérios que devem começar a determinar o preço do pedágio, está a condição das estradas. Nesse caso, o pedágio pode ser mais caro se a pista for duplicada e mais barato quando não houver duplicação.

Para a equipe que desenha o projeto, essa diferença vai estimular as concessionárias a acelerarem as obras de duplicação para receberem valores mais altos de pedágio. Outra projeção feita pelo governo é cobrar um pedágio maior dos motoristas que rodarem mais.

A ideia já deve ser implantada na concessão da Via Dutra no próximo ano. "Preço do pedágio deve variar de acordo com condição de rodovias", aponta a manchete do Globo.