Boris Johnson
© Ukrainian Presidential Press Service/Reuters
Internacional

Boris Johnson e ministro britânico serão multados por festas

Festas foram feitas durante confinamento, no período da pandemia


Publicado em 12 de Abril de 2022 às 13:04 Por Andreia Martins - Repórter da RTP - Londres (Ver Fonte)

O governo britânico anunciou nesta terça-feira (12) que o primeiro-ministro, Boris Johnson, e o ministro das Finanças, Rishi Sunak, vão ser multados por terem participado de festas que violaram as regras vigentes durante o confinamento, em meio à pandemia de covid-19.

A notificação foi enviada pela Polícia Metropolitana de Londres.

Até o momento, não há informações sobre detalhes das multas, incluindo o valor, disse porta-voz citado pela BBC.

A Polícia Metropolitana de Londres investiga denúncias de infrações às normas de contenção da covid-19 em 12 festas que ocorreram nos anos de 2020 e 2021 em Whitehall e Downing Street. Já foram aplicadas 50 multas a funcionários do governo britânico.

Alguns desses encontros ocorreram no momento em que a participação em funerais e a visita a hospitais estava limitada devido à pandemia. O escândalo veio a público no fim de 2021 e ficou conhecido na imprensa por "Partygate". 

O primeiro-ministro britânico garantiu, quando surgiram as denúncias, que todas as regras tinham sido cumpridas, mas acabou por pedir desculpa no Parlamento por ter participado de um dos eventos.

Boris Johnson pediu também desculpa à rainha Elizabeth II por ter participado de outra festa, que ocorreu na véspera do funeral do Duque de Edimburgo, em 16 de abril de 2021.

As autoridades tinham dito que não iriam revelar os nomes dos políticos multados, mas o governo britânico tinha prometido que divulgaria a informação caso Boris Johnson fosse um deles.

Na primeira reação a essas multas, o líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, exigiu a demissão dos dois governantes do Partido Conservador.

"Boris Johnson e Rishi Sunak infringiram a lei e mentiram repetidamente ao público britânico. Ambos devem se demitir. Os conservadores são totalmente incapazes de governar. O Reino Unido merece melhor", afirmou o líder trabalhista no Twitter.

O líder dos Liberais Democratas, Ed Davey, disse que o Parlamento britânico deve votar moção de censura contra o primeiro-ministro.

"Esse é um governo em crise, a negligenciar um país em crise. O Parlamento deve ser chamado a votar moção de censura contra o primeiro-ministro", defendeu em tuíte.

Ele considerou que Boris Johnson não pode continuar como premiê. "Nenhum outro líder, em qualquer organização, teria permissão para continuar depois de uma violação da lei nessa escala".

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

 

 

ARTIGOS RELACIONADOS

"Partygate". Cinco elementos do gabinete de Boris Johnson pediram demissão

4 Fevereiro 2022, 21:40

Governo de Boris Johnson tenta superar o escândalo do "Partygate"

2 Fevereiro 2022, 13:56

TÓPICOS

Boris Johnson , Reino Unido

 

 

 

 

 

DIRETO

 MUNDO | GUERRA NA UCRÂNIA

cerca de uma hora

Ofensiva russa na Ucrânia. A evolução da guerra ao minuto

por Joana Raposo Santos - RTP

 

 

 

 

Reuters

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimentos sobre a ofensiva militar desencadeada pela Rússia na Ucrânia.

SIGA EM DIRETO

"Partygate". Boris Johnson e ministro britânico multados devido a festas nos confinamentos

Ofensiva russa na Ucrânia. A evolução da guerra ao minuto

PUB

Várias pessoas baleadas após tiroteio no metro de Nova Iorque

Como é que os países da Europa preparam autonomia em relação ao gás natural da Rússia?

Guerra na Ucrânia. Suspeita de ataque químico em Mariupol

Cidades ucranianas arrasadas depois de bombardeamentos e ocupação russa

Japão congela bens de mais 398 russos, incluindo filhas de Putin

Borodyanka. Sobreviver a cada dia é para já o único propósito

Chanceler austríaco saiu "pessimista" de encontro com Putin

Aumento do custo energético e alimentar arrasta milhões para pobreza extrema

Conselho de Ministros aprova proposta de Orçamento do Estado

Pelo menos 45 mortos devido a temporal no KwaZulu-Natal

Populares queimam vivo alegado assaltante junto a um dos principais `shoppings` de Luanda

Incidente com Maersk é muito grave e culpa é do Governo da Guiné-Bissau

Mais de 4,6 milhões de ucranianos fugiram da guerra para outros países

Pelo menos 142 crianças morreram e mais de 200 ficaram feridas na guerra da Ucrânia

Ocidente pode reforçar armamento ucraniano se se confirmar uso de armas químicas pela Rússia

Teixeira dos Santos considera irrealista inflação esperada para este ano

Governo apresentou aos partidos as linhas gerais do Orçamento

O fator Mélenchon. Candidato poderá ser decisivo no embate entre Macron e Le Pen

Oito dos 12 candidatos às presidenciais francesas não atingiram os 5% de votos

Abusos sexuais na Igreja. Comissão valida 290 testemunhos

Covid-19. Recomendada aquisição de máscaras e material nas escolas

Covid-19. Xangai decide aliviar restrições

Tempestade nas Filipinas faz pelo menos 42 mortos

Operação Marbello. PJ detém seis pessoas por burla informática

Operação ASAE. Instaurados 11 processos de contraordenação

Guardas prisionais entregam protesto à ministra

Trânsito cortado na A25 devido a despiste de camião

Páscoa com temperaturas que podem chegar aos 28º C no vale do Tejo e Alentejo

Ex-polícia culpado de participar na invasão ao Capitólio

Coreia do Sul e EUA iniciam manobras para exercício militar anual

 NOTÍCIAS

SIGA-NOS

Áreas

DESPORTO

PAÍS

MUNDO

POLÍTICA

ECONOMIA

CULTURA

Newsletter RTP

Toda a informação no seu email

 O Essencial da manhã

 O Essencial

Instale a aplicação
RTP Notícias

Disponível gratuitamente para IOS e Android

 

 

POLÍTICA DE PRIVACIDADE| TERMOS E CONDIÇÕES| PUBLICIDADE

© RTP, Rádio e Televisão de Portugal 2022

Close