Ao transferir órgãos de cinema, governo quer ter mais controle sobre aprovação de filmes
Blog do Matheus Leitão

Ao transferir órgãos de cinema, governo quer ter mais controle sobre aprovação de filmes

  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Compartilhar

Quer receber notíticas em tempo real? Curta o Notícia Plus

As transferências do Conselho Superior do Cinema para a Casa Civil e da Agência Nacional do Cinema (Ancine) do Rio de Janeiro para Brasília, anunciadas nesta quinta-feira (18) pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, têm o objetivo de controlar com mais vigor a aprovação de filmes, séries e documentários.

Integrantes do governo afirmaram ao blog que as mudanças foram decididas como uma reação a projetos aprovados sobre homossexuais e transexuais, o que incomoda a agenda conservadora da gestão.

A colunista Mônica Bergamo, da "Folha de S.Paulo", informou nesta quinta-feira (18) que um desses projetos é o “Born to Fashion”, reality para a revelação de modelos trans.

O Conselho Superior do Cinema é responsável por formular a política nacional de cinema, aprovar diretrizes para o desenvolvimento da indústria audiovisual e estimular a presença do conteúdo brasileiro no mercado. A Ancine fomenta, regula e fiscaliza a indústria cinematográfica e videofonográfica nacional.

Ao falar sobre a transferência da Ancine, Bolsonaro afirmou que o governo não é contra quem tem diferentes opções sexuais, mas que não pode permitir o ativismo, “em respeito às famílias”.

A política do cinema seguirá vinculada ao Ministério da Cidadania, comandado por Osmar Terra.